Cultivo de morango sem solo, sem terra

289

Nos últimos anos, o cultivo de morangos sem solo nas estufas adquiriu uma grande importância, pelas diversas vantagens que a cultura sem solo apresenta, nomeadamente a nível da redução da necessidade de controlo de doenças comuns no solo, proporcionando um sistema de cultivo mais ecológico, eficiente e sustentável sem comprometer a qualidade nutricional do morango.

Material e métodos

O morango foi cultivado em sistema aberto de cultura sem solo, com equipamentos comuns a outras culturas, que incluem nomeadamente: o cabeçal de controlo automatizado da fertirrega, mediante do controlo da condutividade eléctrica (CE) e da acidez (pH) da solução nutritiva, e o sistema de rega gota a gota. O cultivo diferenciou-se de outras culturas sem solo no tipo de substrato utilizado, na forma de suporte do substrato, na densidade de plantação e, como era natural, na composição da solução nutritiva.

O substrato ideal a usar é especial para o morangueiro, constituído por uma mistura (% em volume) de casca de pinheiro compostada (40%), fibra de coco (20%) e turfa (40%), para garantir uma elevada capacidade de retenção de água, drenagem e arejamento. O substrato foi colocado em sacos de polietileno (PE) negro de 30 L de capacidade, com 1 m de comprimento e cerca de 20 cm de largura (depois de instalado). O suporte dos sacos de cultura era constituído por bancadas em verguinha de ferro, com a altura de 1m e 1 m de distância na linha.

cultivar morangos sem terra

Resultados e discussão:

A fertirrega e o controlo fitossanitário foram idênticos em ambos os ensaios. Os valores de referência para a preparação das soluções nutritivas apresentam-se no Quadro:

Registou-se um consumo médio de 1,8 L m-2.dia-1 de solução nutritiva), o que representa 59 % do volume total da solução nutritiva fornecida à cultura na rega. A solução drenada (41 % do volume da solução nutritiva fornecida), foi reutilizada na fertirrega de um pomar de citrinos.

Os valores de CE situaram-se dentro do intervalo esperado. O pH apresentou valores um pouco superiores ao desejado, em virtude de anomalias no potenciómetro do equipamento.

Quanto a pragas, nomeadamente ácaros e tripes, não se registaram problemas significativos, tendo sido controladas recorrendo a insectos auxiliares. Durante a cultura, a ocorrência de oídio e botrytis esteve controlada, sendo a sua incidência semelhante em ambos os ensaios.

Conclusões finais sobre o cultivo de morango sem solo:

No sistema aberto de cultivo usado a solução drenada, cerca de 40 % do volume
fornecido pela rega, foi facilmente reaproveitada noutras culturas, como os citrinos.

Assim, a realização deste tipo de culturas deverá preferencialmente incluir a reutilização
da drenagem ou a sua reciclagem. Para a reciclagem, haverá contudo que garantir condições de segurança fitossanitária para a cultura.
Quanto à produtividade, o aumento da densidade de plantação, de 8 para 14
plantas por m2.

Referências:
Bish, E.B., Cantliffe, D.J., Hochmuth, G.J. & Chandler, C.K. 1997. Development of
containerized strawberry transplants for Florida’s winter production system.
Acta Hort. 439:461-468.
Dijkstra, J., Bruijn, J., Scholtens, A. & Wijsmuller, J. .M. 1993. Effects of planting
distance and peat volume on strawberry producxtion in bag and bucket culture.
Acta Hort. 348:180-187.
Dolgun, O. 2007. Field performance of organically propagated and grown strawberry
plugs and fresh plants. J. Food Sci. Agri. 87(7): 1364-1367.
Pérez de Camacaro, M. E., Camacaro, G. J., Hadley, P., Dennett, M. D., Battey, N. H.,
Carew, J. G. 2004. Effect of plant density and initial crown size on growth,
development and yield in strawberry cultivars Elsanta and Bolero. J. of Hort.
Sci. and Biotechnology, 79 (5) 739-74.
Fernandez, M.A., Hernanz, D., Toscano, G., Hernandez, M.C., Peralbo, A., Flores, F. &
Lopez-Medina, J. 2006. Strawberry quality in soilless systems. Acta Hort.:409-
412.
Freeman. B. 1981. Response of strawberry fruit yield to plant population density. Aust.
J. of Exp. Agri. Animal Husbandry 21(110):349–353.
Hennion, B., Schupp, J. & Longuesserre, J.. 1996. Fraisimotte: a strawberry-plug plant
developed by CIREF. p. 87 Abstract; 3rd Inter. Strawberry Symp., Veldhoven,
Holanda.
Hennion, B., Schupp, J. & Longuesserre, J. 1997. “FRAISIMOTTE®”: A strawberry
plug plant developed by CIREF in France. Acta Hort. 439:469-474.
Lopez-Medina, J., Peralbo, A. & Flores, F. 2006. Strawberry production in soilless
systems with slow sand filtration. Acta Hort. 708:389-392.
Paranjpe, A.V., Cantliffe, D.J., Lamb, E.M., Stoffella, P.J. & Powell, C. Acedido em
20-05-2008. www.hos.ufl.edu/ProtectedAg/ASHS2003-Ashwin.pdf.
Pertuzé, R., Barrueto, M., Diaz, V. & Gamardella, M. 2006. Evaluation of strawberry
nursery management techniques to improve quality of plants. Acta Hort.
708:245-248.
Poling, E. S. & K. Parker. 1990. Plug production of strawberry transplants. Adv. in
Strawberry Prod. 9:37-39.
Porter, L.J., Mattner, S.W., Banks, J. & Fraser, P. 2006. Impact f global methyl bromide
phase-out on the sustainability of strawberry industries. Acta Hort. 708:179-186.

você pode gostar também