Bonsai Carmona Retusa

1.318

O bonsai Carmona Retusa é uma pequena árvore tropical de folhagem persistente que pode chegar a alcançar os 2 metros na sua idade adulta. Produz pequenas flores brancas e frutos globulosos verdes inicialmente, laranjas depois, de 4 a 5 mm de diâmetro. Facilmente se confunde com o “Ehretia”, o seu primo. Originário do sul da China, é um bonsai muito utilizado na China, mas pouco no Japão. É uma espécie muito famosa e difícil, apesar de ser a mais popular de vendas nos hipermercados.

É um bonsai de cultivo e cuidados difíceis, para gente com experiência. A sua velocidade de crescimento é rápida. Necessita de luminosidade, mas nunca está exposto ao sol directo. Deves evitar qualquer corrente de ar frio, pois o bonsai Carmona Retusa é bastante delicado nesse aspecto. Lhe convém um ambiente húmido e a sua temperatura ideal oscila entre os 15 e os 25 graus. O gelo é fatal para ele.

Cuidados do bonsai Carmona Retusa

O bonsai Carmona Retusa necessita de muita luz (apesar de nunca uma exposição directa demasiado prolongada). Se lhe faltar luz no Inverno, podes usar um candeeiro hortícola no final de cada dia. Nos meses de calor, se te for possível é recomendável que o mantenha no exterior. A terra deve estar seca antes de proceder a uma nova rega apesar de não deveres deixar que seque demasiado. A frequência da rega variará segundo a temperatura da habitação ou da zona, a taxa de humidade do ambiente, etc. As regas no Inverno devem ser muito espaçadas para evitar que as raízes apodreçam, já que nessa época os bonsais Carmona consomem muito pouca água.

Para fertilizar o seu bonsai Carmona Retusa utiliza um adubo preferentemente orgânico de composição igual em nitrogénio, fósforo e potássio (tipo 7-7-7). A fertilização deve ser regular durante o período de vegetação e algo mais espaçado no Inverno. Recém-comprado, o Carmona precisa de um tempo de aclimatação ao novo habitat. Não se preocupe se perde algumas folhas. É normal. De qualquer das formas, se o problema persistir e aumentar, comece a perguntar-se o que é que está a acontecer.

você pode gostar também